Campo GrandeCulturaFixo

Som da Concha deste domingo terá o Soul e Jazz de Otávio e o sertanejo de Rodrigo Nogueira

Músicos experientes dão todo o tempero necessário para chegar a este sabor, num show envolvente e cheio de dinâmicas.

O Som da Concha deste domingo (17) traz o Soul e Acid Jazz de Otávio, às 18 horas, com o show “Mais forte do que imagina”, e a música sertaneja de Rodrigo Nogueira, às 19 horas, com o show “Portal Pantaneiro”. O show “Mais forte do que imagina” é resultado musical de um sonhador que está seguindo seu próprio caminho, depois de um longo tempo de composições acalentadas. Com canções autorais, esta celebração musical repleta de balanço tem o intuito de questionar valores e intenções, dar força para realizações pessoais, acreditando em si mesmo, nas pessoas, no trabalho, em Deus.

O estilo tocado é um mix de Soul, Acid Jazz e Brazilian Groove. Músicos experientes dão todo o tempero necessário para chegar a este sabor, num show envolvente e cheio de dinâmicas. Fazem parte da banda os músicos Claudenir da Silva Castro, na bateria; Jadiel Erik da Silva, no baixo; Diego Barbosa da Silva, na guitarra; Silvio de Matos Júnior, no saxofone; Alvani Calheiros Valério da Silva, no trompete e, é claro, Otávio de Oliveira Neto, no vocal e teclado.

Filho de índio terena com uma mineira, o campo-grandense Otávio Neto descobriu a música aos cinco anos, quando foi estudar violão popular com o vizinho sambista Osvaldo Lima, que lhe ensinou o caminho da swuingada música brasileira. Foi o primeiro amor musical.

Na adolescência se mudou para Curitiba, onde morou na casa do maestro Misael Passos e seu filho Misa Jr., com quem teve seu primeiro contato com produção musical e arranjos.

De volta a Campo Grande, descobriu os vocais eletrizantes e o groove da Soul Music e se tornou um pesquisador sobre o assunto, foi quando começou a trabalhar em estúdio como arranjador e assistente técnico.

Fundou o projeto Aldeia Black e já assinou arranjos de diversos artistas, como Guilherme & Santiago e Léo Verão & Daniel Freitas. Já acompanhou artistas como Gwen Letters (backing vocal Stevie Wonder), Sandra de Sá e Max de Castro. Assina quase 70 CDs produzidos de diversos gêneros musicais, alguns DVDs e muitas participações especiais em vários shows pelo Brasil.

Muito chamamé e bailão é o que pode esperar do show do acordeonista Rodrigo Nogueira, que possui em sua bagagem de muita experiência com duplas e grupos de bailes tradicionais, além do sertanejo raiz. Portal Pantaneiro é uma mistura de ritmos que remete ao mundo pantaneiro com muita animação da música sul-mato-grossense.

O músico Rodrigo Nogueira, acompanhado pelo seu grupo, toca e interpreta clássicos do sertanejo raiz, e obras regionais, como o chamamé. Sua banda é formada por Marcelo Nogueira – Voz e Violão; Guilherme de Souza – Bateria; Orivaldo Martins – Voz; Osvaldo Martins – Voz e Violão e Thiago Cabral – Percussão. O próprio Rodrigo Nogueira participa também, é claro, com voz e acordeon.

O acordeonista campo-grandense Rodrigo Nogueira começou sua carreira em 2002, quando formou um grupo musical com seus primos e começou a tocar em bailes na capital e no interior do Estado de Mato Grosso do Sul. Com experiência na bagagem, foi convidado a tocar com duplas de renome nacional como Ronaldo Viola e Praiano, Batô e Fernando, e Luís Goiano e Girsel da Viola, fazendo apresentações para grandes públicos em vários estados e feiras agropecuárias tradicionais.

De volta aos bailes, o músico integrou os grupos: Os Pantaneiros, Fama, Grupo Trembão e Jeitão Pantaneiro, se apresentando em várias festas tradicionais da cultura sul-mato-grossense. Em 2019, em carreira solo, lançou o CD intitulado “Na Tradição Pantaneira”, no qual o artista interpreta clássicos da música regional com participação de artistas e amigos que fazem parte da história da música sul-mato-grossense.

Atualmente Rodrigo Nogueira se apresenta acompanhado por músicos experientes e leva ao público um repertório variado, dançante e romântico, destacando o estilo sertanejo raiz, bailão e ritmos regionais, como o chamamé.

Som da Concha – O projeto criado em 2008 pela Fundação de Cultura proporciona shows aos finais de semana com entrada franca na Concha Acústica Helena Meirelles, que fica no Parque das Nações Indígenas. O projeto valoriza e difunde a produção musical sul-mato-grossense, selecionando músicos instrumentistas ou cantores solos, bandas ou grupos musicais residentes em Mato Grosso do Sul.

Serviço – A edição 2020 do projeto acontece com transmissão ao vivo pelo www.youtube.com/fundacaodeculturamsoficial e pelo Facebook da Fundação de Cultura de MS, e com público presencial com entrada liberada para 238 pessoas, marcados na arquibancada, por ordem de chegada.

 

Fonte FCMS.

Redação Gdsnews.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo