Fixo

Reincidente: homem preso por matar cachorrinha ameaçou ex-mulher dentro de viatura policial

Ele já havia cometido crime de maus-tratos em 2018, em Aquidauana.

Dois boletins de ocorrência por violência doméstica, uma medida protetiva determinando o afastamento da ex-mulher, uma ação penal por maus-tratos a cachorro da família. Nada disso impediu que homem de 50 anos invadisse a casa da vítima, matasse outra cachorrinha a golpes de facão e, ainda, proferisse ameaças de que, se sair da cadeia, vai fazer o que “não conseguiu fazer”, ou seja, matá-la.

A situação aconteceu em Aquidauana, município a 141 km de Campo Grande, na madrugada de domingo (18). Segundo o registro da ocorrência, a Polícia Militar foi chamada porque o agressor estava no terreno ameaçando colocar fogo na casa.

No lugar, depois de já ter dado voz de prisão em razão das ameaças, a equipe de segurança pública encontrou o animal morto, além do facão usado, ao lado do bicho. A cadela, chamada Laika, foi degolada.

Mais ameaças

 

No caminho para a Delegacia de Polícia Civil, conforme relatado pelos policiais militares, o agressor também voltou a falar em tom de ameaça à ex-companheira, de 47 anos.

“Eu vou pro presídio, ficar um dois anos, e quando sair eu vou cumprir o que não consegui fazer hoje”, afirmou conforme descrito no boletim de ocorrência.

Na Polícia Civil, ele foi autuado em flagrante por crimes de ameaça e injúria, maus-tratos animais e, ainda, pelo descumprimento da ordem para se manter afastado da ex-companheira, de 43 anos.

Acionada, a PMA (Polícia Militar Ambiental) foi chamada e também aplicou multa de R$ 3 mil. Ele também será processado na Justiça por maus-tratos.

Em relação à violência doméstica, o inquérito vai tramitar na DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Aquidauana.

O G1 apurou junto ao site do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que o caso anterior de maus-tratos ocorreu na mesma casa, no Bairro Nova Aquidauana, em 2018.

Na época, o homem se incomodou, conforme consta de processo, depois de o cachorro da companheira – eles ainda viviam juntos – avançar contra ele. Usou, então, uma marreta para atacar o animal.

Por esse fato, foi condenado a detenção de três meses, em regime aberto, e multa de mil reais.

Também estava cumprindo pena, no regime aberto, por outra condenação, relativa a prisão ocorrida em 2016, quando foi flagrado dirigindo alcoolizado.

Agora, está preso, na penitenciária estadual de Aquidauana. O flagrante foi convertido em prisão preventiva pela Justiça na audiência de custódia.

Há uma diferença entre a primeira prisão e essa por maus-tratos a animais. É que desde setembro de 2020, a pena para esse tipo de ilícito aumentou, ficando entre dois e cinco anos de reclusão.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo