Ação CriminosaBrasilDestaquesPolícia

PM do Bope sugeriu a traficante execução de major que combatia crime na Serrinha

O policial, que dava detalhes da rotina do Bope para o traficante e o alertava previamente sobre operações da unidade, até hoje não foi identificado.

Um policial militar do Batalhão de Operações Especiais (Bope) sugeriu ao chefe do tráfico do Complexo da Serrinha, em Madureira, que matasse um major que combatia o crime na favela. Mensagens interceptadas pela Polícia Federal com autorização da Justiça entre 2014 e 2015 revelam que o PM tentou convencer Walace de Brito Trindade, o Lacoste — criminoso foragido com mandados de prisão por roubo, tráfico e homicídio — a forjar um assalto para executar um oficial do 9º BPM (Rocha Miranda) que chefiava, na ocasião, uma ocupação policial na Serrinha. O policial, que dava detalhes da rotina do Bope para o traficante e o alertava previamente sobre operações da unidade, até hoje não foi identificado.

 

O EXTRA teve acesso aos diálogos com exclusividade. No dia 13 de novembro de 2014, o PM usou o aplicativo BlackBerry Message para entrar em contato com o traficante, que era monitorado pela PF. Ele chama o criminoso de “meu rei”. “Bom dia meu rei tudo tranqüilo, ou esse brocha do X. ta zoando a comunidade????”, pergunta o PM, se referindo ao major pelo sobrenome. A identidade do oficial será preservada. “Tá, meu rei nem fala”, responde Lacoste.

 

“Pow meu rei manda buscar ele em casa sem levantar suspeita. No sapatinho levanta onde mora e manda pescar. É o único jeito, ou então espera esse arrombado sair que já tá perto”, sugere o PM. “Manda ver onde mora e quando ele for sair da casa, forja um assalto e rasga ele”, completa o policial em seguida.

 

Fotos motivaram abertura de investigação

Uma semana depois, o PM volta ao assunto: “Tem que ser longe daí”, escreveu, em 20 de novembro. “Glock com silenciador e carregador goiabada de 100 tiros pow vai brincar com ele. Esse cara tá com marra de brabo. Manda ele pro caralho”, completou, fazendo referência à arma que seria usada no crime. “Correto, vou ver. Tinha que arrumar uns caras pra fazer essa parada meu rei”, responde o traficante. “Não é difícil não”, finaliza o agente. Eles não voltam a falar sobre o assunto. O oficial alvo da dupla segue na PM.

 

PM vazava operações para criminoso

 

Em outros diálogos, o PM vazou operações do Bope que aconteceriam tanto na Serrinha quanto em outras favelas dominadas pela mesma facção. Entre os dias 24 e 25 de novembro de 2014, o agente avisou a Lacoste que o Bope iria ocupar a Vila Aliança, em Bangu, após o seqüestro, tortura e execução do soldado Ryan Procópio Guimarães na favela. O PM era irmão de um tenente do Bope.

 

“Pow meu rei se liga tá rolando um papo que mataram o irmão de um oficial aqui do Bope. Vai tampar a Vila por tempo indeterminado até pegar o mano”, escreveu o policial. “O mano” citado pelo agente era Rafael Alves, o Peixe, então chefe do tráfico da Vila Aliança.

 

Traficantes armados tiraram fotos dentro de caveirão; PMs estão ao fundo.

 

O PM até sugere ao criminoso que a facção tire Peixe da favela por conta das operações do Bope. “Tem que mandar o mano ir para bem longe porque vão fazer carga lá até pegar ele”.

 

Por volta das 6h do dia 25, o PM ainda avisa sobre uma ação do serviço reservado do batalhão. “Meu rei a brasa tá quente, não dá mole aí não. Fica ligado que a P2 do Bope tá indo para rua fazer operação”, escreveu o PM. Em outras mensagens, traficante e policial combinam data e local para a entrega da “meta” — expressão usada pela dupla se referir à propina.

 

As mensagens interceptadas originaram diversas investigações contra PMs e traficantes. A mais recente delas a chegar à Justiça é a que terminou com a denúncia de nove policiais do 9º BPM por corrupção.

 

Traficantes posaram também em frente à viatura

Fotos em caveirão

 

Os diálogos ajudaram a Corregedoria da PM a identificar uma quadrilha de oficiais do 9º BPM que recebia propina do tráfico da Serrinha para vazar operações do batalhão. A unidade já era investigada desde que fotos de traficantes posando dentro do caveirão do batalhão durante uma operação na favela foram obtidas pelos investigadores.

 

Um dos traficantes que aparece nas imagens foi identificado como Edno Rodrigo Ferreira Marçal, o Rei do Fumo, apontado pela polícia como gerente do tráfico da Serrinha. Ele foi morto na semana passada, durante uma operação do 9º BPM (Rocha Miranda) na favela.

 

O inquérito que terminou com a denúncia de nove PMs do batalhão — sete deles oficiais — tem várias imagens que mostram a proximidade entre criminosos e PMs. Numa delas, traficantes da Serrinha armados com fuzis observam viaturas do batalhão passarem num acesso à favela.

 

Fonte Jornal O Extra.

Mostrar Mais

Relacionados

Close
Close