Campo GrandeFixoPolítica

“O diálogo é da índole do prefeito Marquinhos Trad” afirma Lacerda

Secretário de Governo e Relações Institucionais da administração municipal, Antônio Cezar Lacerda Alves diz que primeiro passo foi “tirar o município do caos”

“Acabou a campanha e o prefeito Marquinhos Trad começou a governar”. A afirmação partiu do secretário de Governo e Relações Institucionais da administração municipal, Antônio Cezar Lacerda Alves, proferida durante entrevista que concedeu na manhã desta terça-feira ao radialista Eli Sousa, no programa “Bronca do Eli” levado ao ar nas rádios Diamante e Segredo FM.

Lacerda citou o fato de o prefeito que antecedeu Marquinhos ter ganhado a eleição e continuado no palanque, alimentando intrigas com adversários políticos e criando problemas com a Câmara Municipal. “Pelo contrário, o prefeito Marquinhos buscou o diálogo” frisou lembrando que o PSD elegeu apenas dois dos sete vereadores que a coligação conseguiu eleger. “E numa Câmara composta por 29 vereadores o prefeito mantém um diálogo excepcional que permite o andamento da máquina administrativa sem qualquer sobressalto”.

No atual momento de pandemia o chefe do Executivo Municipal mostra mais uma vez que “o diálogo é de sua índole, é condição inata” diz Lacerda. Segundo o secretário, Marcos Trad foi buscar dialogo e ajuda junto ao Tribunal de Contas, Ministério Público, Assembleia Legislativa, Governo do Estado, Procuradoria de Justiça, Defensoria Pública, Associação Comercial, Câmara de Dirigentes Lojistas, órgãos do Sistema S. “Ninguém governa sozinho e esse somatório de esforços proporcionou a Campo Grande ser uma das administrações exemplares nas ações de combate ao Novo Coronavírus e aos avanços da Covid-19” explicou.

Sobre o governo que caminha para a conclusão com resultados altamente positivos, Antônio Lacerda recordou que Marquinhos venceu a eleição no domingo e já na segunda-feira iniciava o périplo e busca de informações sobre a realidade municipal e, em especial, de apoio à sua administração que se iniciaria pouco mais de dois meses depois do pleito.

“No dia seguinte da eleição o Marquinhos esteve com o governador Reinaldo Azambuja solicitando apoio do Governo do Estado, pois, sabia a gravidade da situação em que se encontrava Campo Grande” contou Lacerda. Segundo ele, Marquinhos tinha informações sobre o estado em que se encontravam as finanças do município.

“Ao assumir, o prefeito encontrou a cidade com duas folhas de pagamento em atraso. Dívidas com fornecedores do dia a dia que somavam mais de R$ 480 milhões. Dívidas com aqueles fornecedores que se não pagar ele para e faz parar a administração” situou. Havia também atraso nos repasses para os hospitais.

Lacerda descreve o início de 2017 como um dos quadros mais ruins da história de Campo Grande. “Tínhamos aquela questão das mais de 4 mil caçambas de entulhos espalhadas pela cidade em virtude da interdição judicial do depósito de lixo no Bairro Noroeste. Eram muitos os problemas. A Prefeitura estava negativada no Cadin há mais de dois anos. Sem crédito. E o primeiro desafio foi o de tirar o município do caos e resgatar a credibilidade da administração municipal” frisou.

PROJETOS EMPLACADOS – Outra batalha travada pelo prefeito Marquinhos nos anos iniciais de sua administração foi no sentido de desobstruir projetos que estavam travados em Brasília. Erma centenas de milhões prontos para serem liberados, mas que dependiam de contrapartida da municipalidade.

“Uma obra gigantesca, a da Avenida Ernesto Geisel, estava com os recursos alocados, mas o projeto estava para caducar. O prefeito Marquinhos voltou ao governador Reinaldo e pediu seu apoio para ir ao então ministro da Cidade, Bruno Araújo, amigo pessoal do governador, para resolver pendenga. “Foram a Brasília e o projeto foi concretizado” disse ao mesmo tempo em que deu destaque à sensibilidade que o governador sempre mostrou quando se tratou de ajudar o município. “Nesse caso, Campo Grande tinha que entrar com uma contrapartida de 114 milhões para a obtenção de recursos de mais de meio bilhão de reais e foi o apoio do governador e do Ministério das Cidades que viabilizou o projeto” citou.

Durante a entrevista, Antônio Cezar Lacerda falou dos muitos projetos que estão em execução e que serão executados pela atual administração, destacando o projeto que se convencionou denominar “Levanta Campo Grande” e que resultará em investimentos da ordem 870 milhões para revitalizar o município no âmbito estrutural e econômico.

Lacerda também abordou a problemática do transporte coletivo lembrando que atualmente o consórcio que opera o setor tem menos passageiros do que há 10 anos, ou seja, a cidade se aproxima do seu primeiro milhão de habitantes, mas o número de usuários do sistema de transporte coletivo diminui. Para Lacerda, o melhor continua sendo o diálogo. Somos da visão de que temos de negociar, pois, se apertarmos demais, se judicializarmos a questão, podemos ficar sem o ônibus de uma hora para outra” sugere.

O secretário se mostra um entusiasta quando se fala do potencial turístico de Campo Grande. “Nossa cidade nasceu com uma vocação natural para o turismo. Campo Grande surgiu para isso. Somos a segunda maior colônia japonesa e árabe do país. Só perdemos pra São Paulo que não seve de parâmetro para esse tipo de dado. Temos os paraguaios, os bolivianos, sulistas, gente de todo o Brasil. É uma cidade multicultural que a todos encanta” diz.

Lacerda afirma que quem chega em Campo Grande, pelo Aeroporto Internacional, já de vara se encanta com a magnitude da Avenida Duque de Caxias. Depois chega à Avenida Afonso Pena e fica boquiaberto. Avança e tem o Parque das Nações Indígenas, o Parque dos Poderes, tudo deixa o visitante encantando, na opinião do secretário. .

O entrevistado ainda abordou questões econômicas, deixando claro que o agronegócio começa a se fazer presente na economia campo-grandense e destacou que a administração municipal dota a cidade de infraestrutura para que Campo Grande se torne de fato a Capital Brasileira do Corredor Bioceânico.

Falou ainda sobre o Programa de Desenvolvimento – Prodes – instituído para fomentar a industrialização e promover a revitalização econômica municipal, lembrando que um projeto de lei será enviado à Câmara Municipal para incentivar o recebimento de novas empresas no município proporcionando a geração de renda e de postos de trabalho.

 

 

 

 

 

 

 

Mostrar Mais
Close
Close

Bloqueador detectado

Por favor, é necessário desbloquear para prosseguir!!! :(