BrasilDestaquesEsporteFutebolInternacional

Na raça! Brasil reage com três gols no segundo tempo, vence a França e vai à final do Mundial Sub-17

Seleção sai perdendo por 2 a 0 no Bezerrão, mas busca a virada com grande atuação na etapa final. Gol da vitória, marcado por Lázaro, saiu aos 43 minutos

O que esperar de um confronto entre as duas melhores seleções do torneio? Gols. Emoção. No caso do Brasil, uma reação incrível. Que valeu a vaga na final do Mundial Sub-17. Após sair perdendo da França por 2 a 0 no primeiro tempo, a seleção brasileira buscou a virada no segundo tempo, com gols de Kaio Jorge, Veron e, aos 43 minutos, Lázaro. A vitória diante de 13 mil torcedores no Bezerrão levou a seleção para sua sexta decisão na história do torneio. O Brasil vai enfrentar o México em busca do tetracampeonato na final de domingo, às 19h (horário de Brasília), também no Bezerrão.

 

– Eu vinha trabalhando nos treinos, treinando finalização, porque eu sabia que em algum momento o professor Guilherme ia precisar de mim. Eu fico bastante feliz, e tenho que parabenizar a equipe, sem eles nada disso teria acontecido. Hoje. quando a gente tomou 2 a 0, eu tentei passar um pouquinho para os garotos para eles ficarem tranqüilos, eu falei para os moleques para acreditar – disse o autor do gol da vitória histórica, em entrevista ao Sportv após a partida.

 

– Esse é o nosso futebol, a gente tinha que ter o equilíbrio emocional e a gente não conseguiu, sofremos dois gols. Foram ajustes, o vestiário tem sido muito importante para esses atletas, passar confiança. Foi essa confiança, voltar a jogar com mais alegria, senti eles muito nervosos, é normal, é da idade. Mas esse grupo está de parabéns. Mais uma vez mostra a força da nossa equipe, não tenho 11 camisas, e sim 98 camisas, quero agradecer aos jogadores que estiveram com a gente desde a fase de preparação. Eles também fazem parte desse momento muito bonito, indo para uma final de Mundial no nosso país – afirmou o técnico da seleção brasileira, Guilherme Dalla Dea.

 

BRASIL PROVA DO PRÓPRIO VENENO

A estratégia do Brasil era pressionar nos primeiros minutos. Mas quem conseguiu colocar tal tática em prática foi a França. Aos seis minutos, Adil Aouchiche deu lindo passe para Kalimuendo pela esquerda, e ele tocou na saída de Donelli. Foi a sétima assistência do camisa 10 francês no torneio. Pouco depois, Mbuku fez um carnaval no lado esquerdo, direito da defesa brasileira. Passou fácil por Daniel Cabral e Henri e finalizou bem: 2 a 0. A seleção reagiu. Criou boa chance com Veron, se manteve no ataque e teria chance de empatar no fim da primeira etapa. Teria. Yan sofreu pênalti, mas, após revisão no VAR, o árbitro salvadorenho Ivan Barton anulou a decisão.

 

VOCÊ PEDIU COM EMOÇÃO?

O Brasil não se abateu. Reagiu bem na segunda etapa, embora tenha tomado um susto com um chute de Kalimuendo. A França preferiu jogar compactada, deu a bola para a seleção brasileira, que insistiu. E conseguiu diminuir. Aos 16 minutos, Henri escorou após escanteio, e Kaio Jorge empurrou para o gol. Guilherme Dalla Déa lançou Lázaro na vaga de Diego Rosa, colocou Yan na ponta, e a pressão continuou enorme. E surtiu efeito. Aos 30, Daniel Cabral conseguiu salvar bola quase impossível na esquerda, cruzou, Veron ficou com a sobra e empatou: 2 a 2.

 

AH, O VAR…

O VAR foi decisivo. Primeiro, confirmou o gol de Kalimuendo, que havia sido anulado pelo bandeirinha. Depois, o árbitro salvadorenho Ivan Barton foi até o monitor para anular um pênalti que havia marcado em cima de Yan, aos 44 minutos da etapa inicial. Kaio Jorge já se preparava para fazer a cobrança, que poderia recolocar o Brasil no jogo. Na segunda etapa, foi a vez de decidir a favor dos donos da casa ao confirmar o gol do camisa 9 brasileiro. E, no fim, foi também com auxílio do VAR que o árbitro anulou, por impedimento, o gol de Matsima que recolocaria a França na frente, nos minutos finais. Na seqüência do gol anulado, Lázaro fez o gol da vitória brasileira.

 

FESTA BRASILEIRA NO FIM

Anulado o gol de Matsima, bola no chão para o Brasil cobrar o impedimento. O goleiro Matheus Donelli deu um chutão para a frente, a bola quicou no campo de ataque, a defesa francesa bobeou, Lázaro dominou na entrada da área, girou na frente da marcação e chutou forte, sem chance para o goleiro Zinga.

 

Fonte Globoesportes.

Mostrar Mais

Relacionados

Close
Close